Hellraiser – Adaptação para Rastro de Cthulhu (GUMSHOE)

Publicado: 10/01/2012 por Imiril em Downloads, Rastro de Cthulhu
Tags:, , ,

Saudações, meus companheiros. Um dia desses andei conversando muito com o camarada Elisandro Vianna, autor do blog 365 Dias de Horror (fortemente recomendado a quem curte o gênero). Conversa vai, conversa vem, falamos sobre Clive Barker e sua obra. Até então, eu, que não sou muito fã de filmes ou livros de horror, nem sabia que Hellraiser era uma criação do Sr. Barker. Mas fui levado pela curiosidade e animação da conversa a acompanhar esse personagem icônico do horror que até então eu conhecia apenas a partir do trabalho de Marcelo Del Debbio e da saudosa revista Dragão Brasil (com a matéria Metrópolis, que adaptou o universo de Hellraiser para Trevas) e de um filme que assisti há quase duas décadas e nem lembrava mais como era… E qual não foi minha surpresa ao assistir novamente, depois de tantos anos, o filme Hellraiser: Renascido do Inferno. Acabou que eu devorei os outros filmes numa verdadeira ansiedade de conhecer melhor o cenário e os seus personagens. Fiquei tão entusiasmado e satisfeito que eis o resultado: uma adaptação para o RPG.

Esta é uma adaptação não-oficial dos filmes da franquia Hellraiser para jogos de RPG e que utiliza o sistema GUMSHOE. Esse sistema, criado por Robin D. Laws especificamente para jogos de investigação e licenciado no Brasil pela Retropunk Publicações é o mesmo utilizado no livro Rastro de Cthulhu, da Pelgrane Press e também licenciado pela Retropunk. Essa mecânica simples prioriza jogos narrativos de horror e investigação e sou bem sincero em dizer que muito pouca coisa (talvez nada) no mercado nacional emule melhor o estilo de campanha que se espera em uma aventura de Hellraiser.

O temido e introspectivo Pinhead.

Outras opções seriam os sistemas GURPS, Daemon ou Storytelling (este último fortemente indicado). Mas preferi o GUMSHOE por que o foco narrativo é precisamente aquele que vemos nos filmes da série Hellraiser e que é retratado nos contos de Barker. Afinal, bem poderíamos chamar esse treco de “Mythos de Pinhead”.

Bom, mas antes de baixar a adaptação que tal conhecer um pouco mais sobre Hellraiser e sobre o gênio por trás desse tremendo cenário?

Clive Barker é inglês e não há no mundo um fã de horror, seja qual for o tipo, que não conheça o nome desse mestre da arte de provocar medo. Atualmente ele vive em Los Angeles com seu marido (isso mesmo você não leu errado: marido) e é um produtor incansável de contos, games, livros, filmes e o que mais você puder imaginar. A orientação sexual de Baker sempre esteve presente em seus trabalhos e isso nunca atrapalhou de forma alguma a maestria das obras dele – é isso aí, bota a porcaria do preconceito no lixo seu energúmeno.

Os dois primeiros filmes da série Hellraiser foram totalmente inspirados no conto chamado The Hellbound Heart (nunca lançado aqui, mas fácil de catar na net, em inglês claro) e nesses, Clive atuou ativamente. Nos demais ele deu suas dicas e orientações sobre o cenário e outros detalhes de produção, com exceção do último filme, Revelations, ao qual ele deu críticas bastante duras e fez questão de declarar que não tinha nenhuma influência sua.

Há vários livros de Barker publicados aqui no Brasil, sendo o mais famoso os Livros de Sangue, que reúnem diversos contos do autor. Além de escritor e diretor, Clive também pinta. Tem umas belas ilustrações dele no site oficial, além de citações e comentários diversos.

Em se tratando de Hellraiser, Barker desenvolveu, além dos filmes e contos, uma excelente série em quadrinhos que explora largamente o universo de Pinhead e companhia e são um espetáculo, tanto no quesito argumento e enredo, quanto desenho e arte-final. Vale muito a pena dar uma conferida.

Hellraiser, hoje, faz parte do imaginário popular tanto quanto Aliens e Predador, ou outros monstrengos do cinema, tipo Freddy e Jason. Porém, muito mais denso e profundo, os filmes de Hellraiser abordam um horror muito mais primitivo e encarnado. Suscitando muito do que foi ensinado pelo espetacular Lovecraft e também usado pelo grande Stephen King em suas obras, o que torna a obra ímpar dentro do gênero e a fez angariar uma legião tão grande de fãs ao redor do mundo, que lhe rendeu o status de cult.

Maravilhoso poster do primeiro filme da franquia.

Os filmes Hellraiser, Hellbound, Hell on Earth e Bloodline (os quatro primeiros da série) são lineares e complementam um ao outro, contando uma história com princípio, meio e fim. Os demais filmes da franquia: Inferno, Hellseeker, Deader, Hellworld e Revelations, contam histórias isoladas (embora alguns personagens sejam recorrentes). Particulamente – mas devo lembrar que não sou nenhum especilista – prefiro os filmes I e II (diretamente inspirados na obra de Barker), além de Hellseeker e Deader, que pra mim são excepcionais e estão na minha lista de melhores filmes que assisti na vida, com uma estrelinha a mais para Hellseeker, que pra mim é verdadeiramente perturbador e instigante e pode ser assistido isoladamente dos outros sem problema algum de compreensão. Também sou obrigado a concordar com Clive ao dizer que o último filme está muito aquém daquilo que se esperava para Hellraiser, principalmente pelo novo ator escolhido para o papel de Pinhead, que não é nem uma pálida sombra de Doug Bradley, que tão bem encarnou o Cenobita nos outros oito filmes da franquia.

Em si, Hellraiser conta a história do item arcano conhecido por Configuração do Lamento. Um tipo de quebra-cabeça que promete prazeres sem medida àqueles que o desvendarem. Na realidade, a enigmática Caixa é uma chave para outra dimensão chamada de Inferno ou Labirinto, habitada por uma raça de criaturas aparentemente humanas mas terrivelmente desfiguradas. Auto proclamados Cenobitas, esses seres extraplanares (anjos para alguns, demônios para outros) conduzem aqueles que ousam invocá-los para seu reino de dor e prazer. No decorrer dos filmes vemos em detalhes as origens e segredos tanto da Caixa quanto dos seres que ela invoca e somos levados a percorrer os corredores de dor e agonia explorados por aqueles que resolvem se envolver com essas criaturas misteriosas e terríveis.

Bom, meus camaradas, é isso! Aproveite agora para baixar uma adaptação para aquele que é um dos mais icônicos cenários do horror clicando em Hellraiser – GUMSHOE.

Imiril Pegrande

Parafraseando o gênio Clive Barker: “I am a man, and men are animals who tell stories.”

About these ads
comentários
  1. Tiago "Murazor" disse:

    Parabéns, excelente trabalho! Sou fan da série e acho que voces fizeram um excelente material, bela apresentaçao, diagramaçao, visual e texto. Gostei bastante! Valeu!!!!

  2. Imiril disse:

    Massa que vc curtiu Tiago!
    Realmente tb virei fã depois que assisti os filmes e li os HQs. Pena que muita gente pensa que Hellraiser é apenas mais um desses filmes de horror meia boca que tem por aí… e acabam dizendo que não presta mesmo sem nunca ter assistido… é o poder da mídia e da “crítica especializada”.

    Abraços camarada, volte sempre!

  3. Tiago "Murazor" disse:

    Eu sou fan da série, embora os filmes a partir do terceiro se distanciaram bastante do conceito original, que se nao me engano, foi quando barker se distanciou das produçoes destes.

    O material de Hellraiser também tem uma forte semelhança com o rpg de horror KULT. E só falando nisso já podemos imaginar um grande potencial para aventuras, pois na minha opiniao, o setting de KULT é o melhor cenário de horror para se jogar. Sempre quando penso em Hellraiser, penso no universo de Kult, o que permite expandir bastante a cosmologia para uma realidade bem assustadora.

    Tomei a liberdade de divulgar seu trabalho lá no orkut, na comunidade de Call of Cthulhu RPG.
    E volto a agradecer e dar parabéns pelo material, tanto seu conteúdo quanto seu acabamento visual, estao muito bons!

    • Imiril disse:

      Ficamos muito felizes pela ajuda Tiago! Vlw mesmo!!!
      Não conheço Kult profundamente… mas seu comment certamente farão com que eu procure e saiba mais sobre esse RPG antológico.

      Abração cara.

  4. Rafaelkain disse:

    Como sempre, o Imiril “espanca” com suas materias!

    Parabéns por mais essa!

    Imiril, queria sua ajuda para mecanizar uma adaptação que fiz do Metro 2033…

    Pode me contarar por face ou e-mail?

  5. Imiril disse:

    Estamos às ordens Rafaelkain!

  6. Imiril disse:

    Quem achou legal essa Adaptação tem agora um excelente post sobre a Configuração do Lamento que recomendo a todo mundo:

    http://mundotentacular.blogspot.com/2012/01/configuracao-dos-lamentos-e-lemarchand.html?showComment=1327497418863#c3990235051139418570

  7. Samedi disse:

    Muito boa adaptação, até divulguei no face \o huhu
    Vc esta de parabéns ^^

  8. Imiril disse:

    Vlw pela força Samedi!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s