Melodias da Banshee – Midnight Syndicate

Saudações bardos de terras distantes!

Neste terceiro post da coluna Melodias da Banshee falaremos sobre um dos grupos mais presentes nas mesas de RPG em todo o mundo: Midnight Syndicate.  Para os mestres que estão acostumados a criar um clima na sessão de jogo se utilizando de trilhas sonoras, com certeza este grupo não é nenhuma novidade, ou se é, procure obter alguns dos CD´s imediatamente! Mas, com certeza, para muitos os bastidores deste projeto sensacional ainda permanecem um mistério, que pretendemos revelar agora. A importância do Midnight Syndicate para a indústria do RPG é inegável. Ao longo de seus quinze anos de existência e treze discos lançados, o grupo se firmou como um dos mais representativos da história dos jogos de interpretação.

Criado em 1996 pelo compositor e cineasta Edward Douglas, o projeto tinha como objetivo produzir trilhas sonoras para filmes imaginários, sons que criassem na cabeça dos ouvintes um mundo sombrio, misterioso e fascinante ao mesmo tempo. Sobre a forte influencia da música new age, progressiva, jazz e rock, o primeiro CD auto-intitulado foi lançado em 97, mostrando um projeto extremamente heterogêneo e original. Douglas firmou parceria com diversos músicos que trouxeram influências totalmente opostas ao trabalho, criando a partir desta idéia algo complexo e inovador. Porém, neste primeiro álbum não temos a verdadeira essência que viria a ser o Midnight Syndicate posteriormente. Para sua próxima empreitada o músico se aliou a Joseph Vargo (mais tarde conhecido como idealizador do grupo Nox Arcana), que tinha larga experiência com trabalhos de musica ambiente e sons com temáticas mais sombrias; o direcionamento musical perfeito pretendido por Douglas para seu projeto. Juntos criaram a fama do grupo como um dos mais eficientes na composição de temas ligados ao horror/gótico. O segundo disco Born in the Night foi sucesso absoluto nos Estados Unidos, principalmente na época do Halloween. Logo após, o grupo já era referência em se tratando de musica gótico-sombria. O reconhecimento continuou com os trabalhos posteriores, especialmente em Gates of Delirium (2001) e Vampyre (2002).  A música do grupo em essência é atmosférica, sombria e bem trabalhada. Fato que os levou a uma rápida ascensão no meio americano, principalmente na época do Dia das Bruxas onde reinavam soberanos.

Dungeons & Dragons Official Role-playing Sountrack

Um fato bastante curioso e ocasional acabou ocorrendo com o Midnight Syndicate; sua música agradou em cheio ao público rpgísta. Os mestres cada vez mais utilizavam as músicas do projeto em suas narrações, tornando o grupo uma referência neste termo. Isto levou o trabalho de Douglas para as maiores convenções do ramo e despertando o interesse da poderosa Wizards of the Coast (empresa responsável pelo RPG mais jogado do mundo Dungeons & Dragons). Rapidamente a empresa contatou o grupo e encomendou aquele que seria o CD oficial do RPG mais popular e jogado dos EUA, intitulado Dungeons & Dragons Official Role-playing Sountrack (2003). O disco foi um enorme sucesso de vendas, quebrando todos os recordes logo no primeiro mês. Isto abriu um novo mundo de possibilidades ao projeto, os levando para a ambientação sonora de RPG e games. Pois, embora seus álbuns anteriores fossem totalmente propícios aos jogos de interpretação, eles não eram direcionados a este público especialmente. Prova disso e da competência do grupo em relação a este nuance de sua produção, foi que o CD seguinte The 13h Hour, ganhou o prêmio Origins como melhor acessório para jogos pela Academy of Adventure Game Art & Design. Do lado dos games foi produzido pela Goodman Games um game estilo dungeons crawl bem clássico inspirado no CD Gates of Delirium. Além disso, algumas faixas do CD Dungeons & Dragons foram utilizados na trilha sonora de Baldur´s Gate e em Shadowbane, principalmente nas expansões Rise of Chaos e Throne of Oblivion. A partir destas realizações, o Midnight Syndicate tornou-se também no universo dos jogos de interpretação e games uma grande referência sonora. Com Dungeons & Dragons, o projeto de Edward Douglas provou que poderia fazer outros tipos de trilhas sem perder a qualidade, e isto alavancou ainda mais a fama do grupo, principalmente se tratando da industria de jogos.

Horror e Fantasia

O que fez com que a música do Midnight Syndicate fosse tão bem aceita pelos jogadores de RPG foi a proximidade do som com as temáticas mais recorrentes nos jogos de interpretação. O trabalho principal do grupo esta voltado ao horror, com pitadas de música gótica, rock, clássico, nova era. Eles produzem trilhas sonoras perfeitas, como se produzidas para as melhores ambientações do gênero. Qualquer narrador de Vampiro, Arkanum, Rasto de Cthulhu dentre dezenas de outros jogos de horror, sentem as músicas do projeto como elementos intrínsecos da história. Isso sem falar no CD oficial de Dungeons & Dragons: perfeito. Poucos discos posteriores puderam superar sua competência em ambientar sons ao universo da fantasia. Se você ainda não conhece realmente este grupo, esta perdendo uma excelente chance de trazer um elemento rico e encantador para as suas narrações…

Você poderá encontrar mais detalhes na página oficial do grupo http://www.midnightsyndicate.com/

Sérgio Magalhães

Anúncios

Um comentário sobre “Melodias da Banshee – Midnight Syndicate

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s