Gibiteca da Vila: Guerra Civil Marvel

Guerra Civil foi uma série lançada pela Marvel Comics entre 2006 e 2007 que, além de uma revista especial com sete edições, mexeu com todas as linhas de quadrinhos de seus principais heróis. Dentre tantos acontecimentos idealizados pela empresa americana, escolhi especialmente este, por ser o primeiro a trazer à tona questionamentos, até então ignorados, por roteiristas: qual o papel dos super-heróis na sociedade civil e como devem exercer seus direitos e deveres? Guerra Civil toca na realidade, afastando o contexto das fantasiosas séries anteriores, como Dinastia M, por exemplo. Então, se você ainda não conhece esta maravilhosa narrativa, confira agora a trama e logo em seguida corra até a banca mais próxima e adquira seus exemplares! Você não vai se arrepender…

Rumo à Guerra Civil

Antes de a Guerra Civil ser iniciada propriamente, houve uma série de quadrinhos de alguns super-heróis que vinham com a frase acima estampada na capa! Elas simbolizavam acontecimentos que viriam a culminar com todos os conflitos que aconteceram posteriormente. Dentre as mais importantes estavam as revistas do Homem-Aranha. Nestes exemplares, foi apresentado ao leitor a Lei de Registro de Super Humanos. Segundo esta, todas as pessoas com super-poderes deveriam se registrar junto ao governo e, caso desejassem combater o crime, servir às forças militares americanas como soldados, subordinados ao presidente dos Estados Unidos. Este ato foi posto em pauta pelo congresso americano, graças a inúmeros incidentes envolvendo super-heróis e que acabaram com prejuízos enormes à sociedade civil. Um grupo de heróis conhecidos como Iluminatti, formado pelo Homem de Ferro, Doutor Estranho, Príncipe Namor, Professor Xavier, Senhor Fantástico e Raio Negro, chegaram a se reunir para discutir como a população super-humana reagiria a esta lei caso aprovada. Somente o Homem de Ferro e o Senhor Fantástico foram a favor. Segundo Tony Stark (Homem de Ferro), cedo ou tarde aconteceria algo desastroso, causado por algum herói inexperiente, e que daria todo o aval para que a lei fosse aprovada, e isso seria inevitável…

Desastre em Stamford

Durante a gravação de um reality-show um grupo conhecido como Novos Guerreiros encontra uma casa que escondia quatro super-vilões foragidos. Eles atacam a casa, enquanto gravam o programa. Um dos vilões, conhecido como Nitro, é perseguido pela rua por um dos jovens heróis. Ao ser derrubado libera uma poderosa explosão que acaba matando quase todos os heróis, além de dezenas de crianças de uma escola próxima que brincavam no pátio! A comoção nacional é imediata. Todos os grupos de super-heróis rapidamente se prontificam à ajudar no resgate das vítimas (Vingadores, X-Men, Jovens Vingadores). Porém, nada jamais seria como antes. Ao sair da missa em favor das vitimas do desastre, Tony Stark é hostilizado pela mãe de uma das crianças mortas, isso mexe profundamente com seu interior, fazendo sua postura mudarem relação ao registro. Agora o Homem de Ferro passaria a ser o principal defensor do nova lei! Enquanto isso, vários heróis se reúnem no edifício Baxter para saber como irão se posicionar frente à esta lei. Ao mesmo tempo, no porta-aviões da SHIELD, o Capitão América é convocado para liderar uma força de soldados especialmente treinados para caçar super-heróis contrários ao registro. Ele recusa e foge após uma luta contra os soldados da SHIELD. Assim nasceu a resistência!

A Lei de Registro de Super Humanos

Com o Homem de Ferro como principal garoto propaganda do governo, a Lei de Registro de Super Humanos é aprovada. Para Stark, a lei representa uma evolução natural no papel dos super-heróis. Utilizando sua influência ele rapidamente angaria vários aliados poderosos, enquanto outra parcela se recusa a aceitar os termos da lei e se une ao Capitão América. Para os apoiadores da lei somente através da regularização dos heróis se poderia reconquistar o apoio da população civil, enquanto os opositores afirmavam que os termos do registro eram uma violação aos seus direitos civil. Pouco depois do registro ser aprovado, uma grande revelação é feita: o Homem Aranha tira a máscara em uma entrevista coletiva e afirma sua identidade publicamente!

Homem de Ferro X Capitão América

Instalada a oposição de idéias, dois grupos de heróis se formaram. E uma guerra civil se inicia! Um destes grupos é liderado pelo Homem de Ferro, que reunia membros como Homem Aranha, Senhor Fantástico, Jaqueta Amarela e Mulher Hulk. Estes eram a favor do registro e lutavam pelo governo americano. Do outro lado, o Capitão América reuniu outro grupo de heróis descontentes com a lei, especialmente o Demolidor, Luke Cage e Falcão, sendo apoiado por Nick Fury. Todo o heróis não registrado passou a ser considerado criminoso e caçado pelos Vingadores do Homem de Ferro e pelos soldados da SHIELD. A lei dividiu mais que amigos. Famílias foram desfeitas, como o Quarteto Fantástico, onde A Mulher Invisível e o Tocha Humana debandaram para o grupo do Capitão América, enquanto o próprio Senhor Fantástico era um dos maiores partidários da lei de registro.

Durante esse período, o Senhor Fantástico criou uma prisão especial para super-humanos na zona negativa, uma dimensão caótica paralela à Terra. Vários heróis e vilões foram rapidamente transferidos para esta prisão. Enquanto isso, os aliados do Capitão América continuam combatendo o crime na clandestinidade, até que eles caem em uma armadilha feita pelo Homem de Ferro. Em uma fábrica das empresas Stark, os heróis revoltosos são cercados pelas tropas do governo. Stark oferece uma trégua à Steve Rogers (Capitão América), porém, este não aceita e ataca com tudo seus inimigos. Rapidamente um imenso campo de batalha se instala. Quando os aliados de Rogers levavam a melhor, um poderoso trovão corta os céus e muda o rumo do conflito. Thor, que mais tarde revelou ser apenas um ciborgue, aparece e rapidamente derruba vários super-heróis contrários ao registro. Golias tenta derrotar o deus do trovão e é impiedosamente assassinado! Aproveitando o abalo das forças de Stark, diante da brutalidade do falso Thor, os aliados do Capitão América fogem.

A morte de Bill Foster (Golias) transformou profundamente a visão de muitos sobre esta guerra. Diversos heróis mudaram de lado, sendo o mais representativo o Homem-Aranha, que passou para o lado contra-registro. A batalha começou a ser definida quando o Capitão América, aliado ao Justiceiro, achou uma forma de libertar os super-heróis presos na zona negativa. Enquanto isso, Tony Stark se alia com diversos vilões, que seriam utilizados na batalha final. Os planos de Rogers acabam se concretizando, seus aliados são libertos, porém o Homem de Ferro esperava isso, e aparece com um exército de heróis e vilões, no mesmo instante os prisioneiros aparecem e se unem ao Capitão América: é o conflito final!

A Morte de um Herói

O conflito final da guerra civil foi travada nas ruas de Manhattan. As forças do Capitão América levavam a pior quando o Príncipe Namor aparece com dezenas de guerreiros e desequilibra a batalha. Os vilões, aliados do Homem de Ferro atacam impiedosamente e igualam o conflito. Até que no momento crucial, Stark e Rogers duelam. Graças à estratégia de batalha, o Capitão América consegue danificar a armadura de seu inimigo e vencê-lo! Porém, no momento de desferir o golpe final, a população civil o agarra, impedindo o herói de destruir seu rival. Eles alertam para a destruição causada na cidade e no mesmo momento Rogers desiste da luta e se entrega para a polícia. Segundo ele, a guerra havia perdido seu propósito e eles só estavam lutando, sem princípios a defender. Com o rendimento do líder da resistência do Capitão América, Tony Stark se tornou o diretor da SHIELD e responsável pelos dados da lei de registro. O projeto conhecido como A Iniciativa distribuiu uma equipe de heróis para cada estado americano. Muitos super-humanos descontentes fugiram do país, enquanto outros mais radicais, principalmente os aliados mais próximos do Capitão América, como Luke Cage e o Homem-Aranha, formaram um grupo de Vingadores Secretos. Por fim, a lei foi instalada e a população civil a recebeu com grande sucesso. Steve Rogers, por outro lado, preso, foi levado a julgamento. Porém, enquanto era conduzido ao tribunal, acabou sendo assassinado por uma trama de um de seus principais inimigos, o Caveira Vermelha.  E assim acabou a guerra civil, com o Homem de Ferro no topo do mundo, e o lendário Capitão América morto!

Pós-Guerra

Como afirmei no início deste post, Guerra Civil apresenta uma das mais complexas e maduras tramas já lançadas pela Marvel Comics. A história fica cada vez mais rica, à medida que se lê os quadrinhos dos heróis, e sua devida inserção neste contexto de batalha. Embora sejam necessários muitos dias para acompanhar tudo, pois são dezenas de revistas espalhadas pela linha de todos os super-heróis da empresa, vale muito a pena conhecer esta história. Mesmo! Se você é um dos muitos fãs do jogo Mutantes & Malfeitores, vale mais ainda! Se o gênero supers nunca foi um enorme sucesso no mercado RPGista no Brasil, esta trama talvez ajude mais mestres a se inspirarem e narrarem em um universo de super-heróis.

Sérgio Magalhães

Anúncios

11 comentários sobre “Gibiteca da Vila: Guerra Civil Marvel

  1. Antes da GC eu nem sabia a diferença entre Marvel e DC. Definitivamente, HQ’s não fizaram parte da minha infânica. Li muito Turma da Mônica e afins, o mais proximo que cheguei de HQ’s foi a série Spawn.

    Para mim, a Guerra Civil é incrivel, obviamente, seus defeitos ocorrem devido o fator financeiro que impoe um que todas linhas estejam envolvidas, uma estratégia utilizado por novelas brasileiras. Mas de qualquer maneira, em alguns momentos, eu não acreditava que estava lendo um hq devido o nivel de profundidade.

    Post incrivel… Parabens e continue assim!

  2. Parabéns companheiro! Me arrepiei em cara momento decisivo da história. Guerra Civil com certeza foi a melhor fase já escrita pelo pessoal da Marvel, infelizmente, sempre o dinheiro ganha da justiça. Steve Rogers é e sempre será o melhor personagem no Universo Marvel. Valeu Sérgio.

  3. Depois da extinta série Marvel 2099 (alguém lembra desse treco?) e subsequentes asneiras editorias deixei de acompanhar o universo das HQ’s produzidas pelo Tio Sam. Voltei-me quase que exclusivamente para o Fumetti (quadrinhos italianos) e alguns Mangás mais, digamos, underground (recomendo fortemente Blame!). Alguma coisa da Vertigo era a única exceção, até pq o estilo deles é tudo, menos Americano – rsrs – além dos trabalhos de gênios como Alex Ross, Frank Miller, Neil Gaiman, Alan Moore, Mike Mignola, etc – que tb sofrem fortes influências Européias ou dos quadrinhos antigos dos bons tempos de Buscema, Byrne e Romita.

    Mas com, toda sinceridade, Guerra Civil é um marco na história dos quadrinhos no mundo. O post do Sérgio descreveu muito bem a obra de arte que é esse arco produzido pela Marvel.

    1. Cara, as influências do Imiril são das melhores, hein?!

      Sinceramente, adorei a morte do Capitão América não pelo caráter do personagem, que, aliás, é exemplar para a molecada mais nova, mas sim pelo patriotismo americano exacerbado que ele sempre carregou. Nunca gostei desse negócio dos americanos de ficar mostrando a bandeira deles em todo canto.

      Quanto ao Homem de Ferro, é outro que nunca gostei muito, principalmente pela posição nessa GC.

      Mas a genialidade dessa trama é inegável mesmo. Um dos poucos enredos de qualidade e profundidade dramática feitos pela Marvel.

  4. Valeu galera! Realmente cara, acho muito dificil os roteiristas da Marvel superarem Guerra Civil; prova disso foram as séries posteriores: Invasão Secreta é uma piada, devido ao grau de simplicidade, Reino Sombrio prometia mas não foi muito longe. GC também me inseriu no universo da Marvel depois de adulto.

    Até hoje releio as HQ´s e sempre acho coisas novas no texto.

    1. Sempre achei que nunca entenderia algo sobre HQ’s, mas a GC me inseriu tão profundamente no cenário, que você consegue ter um perfil de cada personagem sem ao menos conhecer sua historia.

      Eu li a Morte do Capitão America… e foi foda!

      Continue assim… suas materias estão dukabaragaio!

  5. Destaco na Civil War a caça de Wolverine ao Nitro e a saga do Justiceiro dentro do título Civil war. Very Nice!

    As “sagas” seguintes são ótimas também. A Iniciatica com Tony Stark como diretor da Shild ( consequência da defesa da lei de registro) World War Hulk ( com HUlk puto destruindo tudo, são de sí (vale salientar), ótimo título!

    Ótimo Post Sérgio. Tôe sperando o da World War Hulk!

    Abraço.

  6. Valeu Aerton, também gosto muito dessa saga e li algumas coisas, no futuro com certeza sairá algo sobre.

  7. Fato interessante é que boa parte do público mais jovem (atuais fãs da Marvel/DC) não gostaram desse arco… (essa molecada de hoje em dia hein?!).

    E não gostaram exatamente pelo motivo que eu mais gostei: a reviravolta na vida dos personagens (diga-se de passagem reviravolta essa que os trouxe de volta às suas origens). Talvez por isso a galera do “vinte e poucos anos” tenha curtido mais o enredo que é bastante tenso – kkkk. Coisa que a atual geração não curte muito…

    Pensa só: lembro que quando vi os primeiros plots da Guerra Civil pensei logo: “mais outro lixo marvel” e na minha mente criei quem seria a favor e quem seria contra: lembro que comentei com um amigo: O Aranha certamente vai ser CONTRA. pois tem todos os casos com a tia May e Mary Jane, além de tudo que ele já passou na mão dos criminosos (o Aranha é um dos heróis que mais teve a família ameaçada na história dos quadrinhos) além disso, disso e disso, etc., o Capitão, EVIDENTEMENTE vai ser a favor, afinal ele já é militar, sua identidade já é conhecida, ele já trabalhou com a SHIELD, etc, etc, etc.

    E aí o que foi que eles fizeram?! Tudo ao contrário!!! E de uma forma que realmente convenceu ao leitor de que aquilo fazia sentido. Escarafucharam (essa palavra existe?) a vida dos heróis e botaram a gente pra pensar! Coisa rara num quadrinho Marvel/DC que geralmente são clichês e tendenciosos.

    Acredita que uma das crítica mais severas e presentes é: “tem muito blá-blá-blá” (referindo-se às muito empolgantes discussões, entre vários personagens, sobre a polêmica Lei de Registro de Super-Seres). Além disso, fora os “blá-blá-blás” os combates são marcantes e vertiginosos; só para mencionar alguns que mais gostei: O Namor arrebentando com o Homem de Ferro facim facim é um marco nos quadrinhos; o Nitro mandando a escola pelos ares tb; o primeiro combate entre os rebelados e o Homem de Ferro e companhia tb é muito bom. Nos combates nada de politicamente correto nem herói esquecendo “por acaso” seus poderes na hora de apelar; p.ex. o combo do Namor contra o Homer de Ferro: em dois turnos levou o cara pra o fundo do mar e arrancou o capacete dele, simples assim.

    Pois é caras, desculpem o comentário gigante e o falatório intenso… mas depois que vi que muita gente não curtiu a GC eu precisava desabafar…

    Abraços.

  8. Muito legal o comentário Alan. Realmente disse tudo em relação a série. Essa insatisfação da molecada com GC foi evidenciada na série seguinte da Marvel: Invasão Secreta. Onde a trama é a mais “feijão com arroz” possível. Alienígenas tentam invadir a terra! Super original, hein? Guerra Civil tem um enredo denso, onde valores são mais importes que poderes, e ideologias sustentam a coragem. Como citei em outro comentário, acho difícil a Marvel superar esta trama, se é que querem isso, na verdade :]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s