Robert E. Howard: O maior nome da literatura sword & sorcery

Robert Ervin Howard é um dos poucos autores que consegue ser uma unanimidade em termos de literatura de fantasia. Seu legado é composto por dezenas de personagens das mais variadas épocas, e com as mais diversas personalidades. Todas marcadas por uma escrita enxuta, com ritmo cativante e boa dose de carisma. Ao longo dos anos, cultivou um cânone literário com histórias que iam da Era Pré-cataclísmica ao Velho Oeste Americano. Porém, basta mencionar, por um instante, sua maior criação, para entender o porquê desta unanimidade citada. Criador de um dos personagens mais conhecidos e amados da literatura, o bárbaro cimério Conan, Howard alcançou o apogeu de suas obras através das desventuras do impetuoso bárbaro que representava claramente seu próprio impulso desbravador contido. O autor representa a figura maior de um gênero de literatura que cresce em importância a cada década, conhecido como Sword & Sorcery, ou Espada e Feitiçaria. Foram os contos do escritor texano que definiram as características principais do gênero, que proliferaram rapidamente entre dezenas de outros escritores na época em que suas histórias ganharam destaque nas revistas pulp. Embora seja conhecido mais especificamente pelos contos de fantasia medieval, Howard escreveu vários outros estilos em literatura como western, boxe, ficção histórica e horror, contribuindo, inclusive, com algumas obras no também memorável escritor, e amigo pessoal, H.P. Lovecraft.

Formação e Primeiros Escritos

As duas grandes fontes de inspiração que despertaram o interesse da criança sobre o misterioso e fascinante universo de fantasia foram, em primeiro lugar, os contos de horror relatados por sua avó e pela tia, que despertaram, desde esta época, o gosto por este gênero que mais tarde seria um dos mais cultivados pelo escritor. Em segundo, especialmente em relação ao início de sua atividade literária, foram os contos que ele lia na revista Adventures, principalmente os autores Harold Lamb e Talbot Mundy. E estes, em particular, incentivaram o jovem Robert a começar a criação de suas próprias histórias. Foi nesta época também que se iniciou, quase inconscientemente, a se formar a personalidade de seu principal personagem, nada menos que o bárbaro Conan da Ciméria. Howard sempre se imaginava sendo um selvagem lutando contra a opressão do Império Romano, seu comportamento impetuoso e carisma surpreendente, eram a nuance especial relacionado a criação. Por falar nisso, o autor, quando criança, sempre foi visto como alguém reservado, sempre pensando ou lendo e disperso da realidade que o cercava, fato que o levou a desenvolver tão bem mundos de fantasia complexos e bem detalhados. Embora escrevesse desde os 9 anos, somente aos 15 começou sua carreira profissional, e um ano depois, em 1924, teve sua primeiro conto negociado com uma conhecida revista, sendo este Spear and Fang (A Lança e a Presa), que só viria a ser publicado na edição de julho de 1925 da revista Weird Tales.

Espadas e Feitiçaria

A partir de sua primeira publicação, Howard teve uma ascensão cada vez maior, sempre aparecendo com seus textos ao lado de grandes e, já consagrados, autores, como H.P. Lovecraft, Clark Ashton Smith e Fritz Leiber. Embora tenha sido publicado em diversas revistas americanas, foi na lendária Weird Tales que ele lançou suas principais criações. Por exemplo, foi nesta publicação que estreou Conan, com o conto The Phoenyx on the Sword (A Fênix na Espada) em 1932. Como citado mais acima, Robert E. Howard definiu o estilo Sword and Sorcery, principalmente através dos contos de seu principal personagem, Conan. O gênero é composto por um herói impetuoso, destemido que desafia com ímpeto seus inimigos e os maiores perigos existentes. Nele, leia-se o estilo, foi criado o aspecto do heróis que busca a aventura, e não teme o perigo, sempre os vencendo pela esperteza ou habilidade em combate. Conan, sem dúvida, é o símbolo maior deste estilo de personagem, que serviu de molde para dezenas de outros depois. Outra importante característica da escrita do autor foi a criação de um universo para abrigar as desventuras de seus heróis de fantasia. Este mundo fictício foi batizado Era Hiboriana. Segundo o próprio escritor, esta ambientação não seria algo totalmente distante de nossa realidade. A Era foi inspirada na fase ancestral do próprio planeta Terra, com guerreiros selvagens, nações conquistadoras, deuses esquecidos e monstros misteriosos. Esta criação foi tão significativa que, posteriormente, foi expandida por outros autores, como Clark Ashton Smith.

O autor, como falei mais acima, também marcou época pela criação de outros personagens e que demonstravam personalidades diversas, representando a criatividade pulsante do escritor. Fora o famigerado bárbaro cimério, Robert também foi o idealizador de heróis como: Kull da Atlântida, também ambientado na Era Hiboriana, embora em sua fase ancestral; Salomão Kane, um antigo assassino que buscava redenção com atos puritanos; Bran Mak Morn, um guerreiro picto, e Sonya de Rogatino, que inspirou a criação da personagem Red Sonja da Marvel Comics.

O Legado do Escritor

É bem verdade que em determinado ponto a obra do escritor foi resgatada pelo trabalho de autores relacionados a outras formas de arte, especialmente os quadrinhos. Conan, por exemplo, ampliou a criação de Howard a toda uma nova geração de admiradores, os levando a conhecer a escrita relacionada ao personagem, logo após o verem nas publicações da Marvel. Os filmes do bárbaro cimério, foram, por anos seguidos, os maiores representantes da fantasia medieval no cinema, conquistando rapidamente milhares de fãs. Sem dúvida, Conan foi o personagem mais explorado por outras mídias: cinema, quadrinhos, vídeo games, brinquedos, e uma infinidade de outras coisas. No entanto, outras criações do autor também expandiram horizontes e foram cultivados por vários outros artistas, Sonja e Salomão Kane foram, depois de Conan, os mais trabalhados neste aspecto. No RPG, Conan foi lançado por diversas empresas, desde o antigo GURPS, ao novo D20, que possui dezenas de suplementos de grande qualidade. Uma faceta importante da relação do personagem com os jogos de interpretação foi o fato de Conan ter sido a inspiração para a criação da classe bárbaro da primeira edição do Dungeons & Dragons. Assim como na literatura, o herói cimério definiu um padrão para personagens com esta nuance.

Clássica pintura retratando Conan em combate, do saudoso Frank Frazzetta.

Conclusão

Assim como a maioria dos fãs atuais (pelo menos acredito nisso), conheci o trabalho de Robert E. Howard através de outras formas que não os contos originais, no meu caso os quadrinhos da editora Mythos. A partir daí fui atrás dos contos e me surpreendi pela excelente qualidade escrita. Se você é narrador de RPG, Howard é, sem dúvida, leitura obrigatória. As descrições, principalmente dos combates, são um enriquecimento incrível para qualquer um. Os contos foram lançados no Brasil recentemente em uma publicação bastante acessível, então, corra atrás e não deixe de conferir o trabalho fantástico, nos dois sentidos, deste escritor incrível que definiu muito do que é hoje o gênero literário fantasia e o próprio RPG.

Sérgio Magalhães

Anúncios

3 comentários sobre “Robert E. Howard: O maior nome da literatura sword & sorcery

  1. Paz e bem.

    Muito bom trabalho, Sérgio. Pra mim um conhecimento a mais, embora conhecesse esse tipo de literatura, desconhecia alguns termos e até a origem do bárbaro Conan.
    Grande abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s